Delirium como manifestação da hemorragia subaracnoidea. Revisão da literatura

Autores

  • Leticia Novak Crestani
  • Gabriela Ferreira Kalkmann
  • Nicollas Nunes Rabelo
  • Carlos Umberto Pereira

DOI:

https://doi.org/10.22290/jbnc.v32i4.1991

Palavras-chave:

Delirium, Agitação, Hemorragia subaracnoidea

Resumo

Objetivo: Revisão de literatura sobre delirium em paciente com hemorragia subaracnoidea (HSA), tema de grande importância para o médico neurocirurgião e neurointensivista, dado que é uma condição que necessita de identificação e diagnóstico precoce, bem como manejo adequado para não acarretar em pior prognóstico. Material e método: Trata-se de um artigo de revisão da literatura utilizando as bases PubMed, Scielo e Cochrane, utilizando os termos: “Delirium”, “Agitation” e “Subarachnoid Hemorrhage”. Foram selecionados artigos entre 2005 a 2019, resultando em um total de onze artigos que preencheram os critérios de inclusão: citações, respectivos impactos e conteúdo. Resultado: O delirium pode ser uma forma de apresentação da hemorragia subaracnoidea, podendo levar a maior tempo de internação hospitalar, maiores complicações e pior prognóstico. Por vezes, esse transtorno neurocognitivo não é identificado nos pacientes com HSA e é frequentemente confundido com outros transtornos como ansiedade, depressão e demência. Seu diagnóstico precoce acarreta melhor qualidade de vida ao paciente e pode ser feito por diversos algoritmos como CAM, Nu-DESC e RASS, sendo este último o mais efetivo em pacientes com hemorragia subaracnoidea. Conclusão: O manejo adequado deve ser realizado com base na identificação da causa, com tratamento sintomático e controle ambiental. Tendo em vista ser uma condição que necessita ser identificada precocemente para melhor prognóstico, é de suma importância que médicos neurocirurgiões e neurointensivistas saibam diagnosticá-la em pacientes com hemorragia subaracnoidea.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leticia Novak Crestani

Student of Medicine, Faculdade de Medicina do Centro Universitário de Maringá, Maringá, Paraná, Brazil

Gabriela Ferreira Kalkmann

Student of Medicine, Federal University of Parana, Curitiba, Paraná, Brazil

Nicollas Nunes Rabelo

MD, MSC, Neurosurgeon, Chief of Neurosurgery Department, Centro Universitário UniAtenas, Paracatu, Minas Gerais, Brazil

Carlos Umberto Pereira

MD, PhD, Neurosurgeon, Neurosurgery Service, Hospital de Urgências de Sergipe (HUSE); Preceptor of Medical Residency in Neurosurgery, Fundação Beneficência Hospital de Cirurgia, Aracaju, Sergipe, Brazil

Referências

Vivancos J, Gilo F, Frutos R, et al. Guía de actuación clínica en la hemorragia subaracnoidea. Sistemática diagnóstica y tratamiento. Neurología. 2012; 29(6):353-370. doi: 10.1016/j.nrl.2012.07.009.

Macdonald RL, Schweizer TA. Spontaneous subarachnoid haemorrhage. Lancet. 2017;389(10069):655-666. doi: 10.1016/ S0140-6736(16)30668-7.

Muehlschlegel S. Subarachnoid Hemorrhage. Continuum: Lifelong Learning in Neurology. 2018;24(6):1623-1657. doi: 10.1212/CON.0000000000000679.

Caeiro L, Menger C, Ferro JM, Albuquerque R, Figueira ML. Delirium in acute subarachnoid haemorrhage. Cerebrovasc Dis. 2005;19(1):31-38. doi: 10.1159/000081909.

Reznik ME, Schmidt JM, Mahta A, et al. Agitation After Subarachnoid Hemorrhage: A Frequent Omen of Hospital Complications Associated with Worse Outcomes. Neurocrit Care. 2017;26(3):428-435. doi: 10.1007/s12028-016-0331-1.

Reijneveld JC, Wermer M, Boonman Z, Van GJ, Rinkel GJE. Acute confusional state as presenting feature in aneurysmal subarachnoid hemorrhage: frequency and characteristics. J Neurology. 2000;247(2):112-116. doi: 10.1007/pl00007791.

American Psychiatric Association. Transtornos neurocognitivos. In: American Psychiatric Association. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: DSM-V. 5a ed. São Paulo: Artmed, 2014. p.596-601.

Bottino CMC, Laks J, Blay SL. Delirium. In: Bottino CMC (ed). Demência e transtorno cognitivo em idosos. São Paulo: Guanabara Koogan, 2006.

Reznik ME, Mahta A, Schmidt JM, et al. Duration of Agitation, Fluctuations of Consciousness, and Associations with Outcome in Patients with Subarachnoid Hemorrhage. Neurocrit Care. 2018;29(1):33-39. doi: 10.1007/s12028-017-0491-7.

Stawicki SP, Gerlach AT. Delirium assessment in the intensive care unit: An overview of objective diagnostic criteria and scoring tools: OPUS 12. Scientist. 2008; 2(4):13-16.

Kostas TR, Zimmerman KM, Rudolph JL. Improving delirium care: prevention, monitoring, and assessment. Neurohospitalist. 2013;3(4):194-202. doi: 10.1177/1941874413493185.

Robinson D, Thompson S, Bauerschmidt A, et al. Dispersion in Scores on the Richmond Agitation and Sedation Scale as a Measure of Delirium in Patients with Subdural Hematomas. Neurocrit Care. 2019;30(3):626-634. doi: 10.1007/s12028-018-0649-y.

Caeiro L, Ferro JM, Albuquerque R, Figueira ML. Delirium in the first days of acute stroke. J Neurol. 2004;251(2):171-178. doi: 10.1007/s00415-004-0294-6.

Dostović Z, Smajlović D, Sinanović O, Vidović M. Duration of delirium in the acute stage of stroke. Acta Clin Croat. 2009;48(1):13- 17.

Ochum T, Thomas BKJ. Disease Management in Patients with Delirium. Open Crit Care Med J. 2011;4:47-55. doi: 10.2174/1874828701104010047.

Downloads

Publicado

2022-01-06

Como Citar

1.
Crestani LN, Kalkmann GF, Rabelo NN, Pereira CU. Delirium como manifestação da hemorragia subaracnoidea. Revisão da literatura. jbnc [Internet]. 6º de janeiro de 2022 [citado 26º de maio de 2022];32(4):389-94. Disponível em: https://jbnc.emnuvens.com.br/jbnc/article/view/1991

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >>